Enorme rede de cidades construída há 2.500 anos foi encontrada na selva amazônica

Enorme rede de cidades construída há 2.500 anos foi encontrada na selva amazônica

15/01/2024 0 Por jk.alien

Outro segredo da Amazônia foi descoberto na selva densa por meio de mapeamento com tecnologia de sensor a laser. Muitas ruínas antigas, onde viviam cerca de 10 mil pessoas.

Pela primeira vez, o arqueólogo Stephen Rosten encontrou antigos montes e restos de estradas na região do Vale Upano, no Equador, e isso foi há mais de 20 anos.

Quando começou a escavar, encontrou uma variedade de cerâmicas coloridas, incluindo jarros que foram testados para conter cerveja de milho. A datação por radiocarbono mostrou que as pessoas se estabeleceram aqui há cerca de 2.500 anos e viveram aproximadamente mil anos (de 500 aC a 600 dC).

Naquela época, segundo Rosten, ele ainda não entendia que na verdade se tratava de um grande complexo de assentamentos, na verdade uma cidade enorme, intimamente ligada por estradas.

Devido aos matagais impenetráveis, ao calor intenso, ao risco de contrair malária e outras doenças perigosas e ao afastamento da civilização, as escavações arqueológicas na região amazônica sempre foram muito difíceis.

A selva rapidamente toma conta de assentamentos abandonados e depois de dezenas de anos ninguém vai adivinhar, de passagem, que aqui existia uma aldeia ou mesmo uma cidade.

No entanto, a moderna tecnologia de digitalização a laser (lidar), montada em drones, está a ajudar os arqueólogos a descobrir ruínas antigas escondidas pela vegetação. Recentemente, a selva equatoriana foi mapeada usando estas tecnologias e muitas ruínas retangulares de estruturas antigas foram descobertas.

Segundo a revista Science , era uma cidade enorme, ou melhor, uma rede de vários grandes assentamentos. É assim que essas ruínas parecem vistas do solo, parecem muralhas de barro e se estiverem cobertas de árvores, você nunca vai adivinhar que se trata de uma estrutura artificial.

A arqueologia só recentemente começou a revelar que a Amazônia era densamente povoada há milhares de anos e tinha uma civilização bastante avançada. Anteriormente, acreditava-se que desde a antiguidade viviam ali apenas pequenos grupos de índios, cujas maiores conquistas técnicas eram cabanas e barcos em ruínas.

Rosten agora chama o Vale Upano de “o vale perdido das cidades”. E, segundo cálculos, moravam aqui pelo menos 10 mil pessoas. É verdade que os arqueólogos ainda não sabem qual civilização construiu esta rede de cidades, porque ela é mais de mil anos mais antiga que as culturas amazônicas anteriormente conhecidas dos tempos pré-colombianos.

No total, cinco grandes assentamentos e outros dez menores foram descobertos em uma área de 300 quilômetros quadrados. Cada assentamento era densamente construído com estruturas residenciais e cerimoniais, e entre eles havia campos planos e retangulares onde eram cultivados milho, mandioca e batata-doce, segundo escavações.

As cidades eram conectadas por estradas largas e retas, e dentro das cidades havia ruas e até bairros claramente definidos.

“Podemos falar com segurança sobre urbanismo”, diz o arqueólogo Fernando Mejía, da Pontifícia Universidade Católica do Equador, um dos autores do novo estudo.

Segundo ele, em termos do grau de mudança artificial da paisagem, os desconhecidos construtores dessas cidades poderiam até competir com as “cidades-jardim” dos maias. E o que foi descoberto até agora “é apenas a ponta do iceberg” sobre o que mais pode ser encontrado na Amazônia equatoriana, diz Mejia.

A julgar pelo traçado e datação, todas essas cidades e estradas existiram ao mesmo tempo e não foram construídas uma para substituir a outra. Anteriormente, a sociedade altamente desenvolvida mais antiga da Amazônia era considerada uma cultura que vivia na região de Llanos Mojos, na Bolívia, onde no ano passado foram descobertas ruínas de antigas cidades com pirâmides usando o mesmo lidar.

Mas a rede de cidades do Equador revelou-se quase mil anos mais antiga que a civilização boliviana, e os seus assentamentos eram maiores e mais desenvolvidos, assim como as suas estradas. As estradas maiores tinham 10 metros de largura e se estendiam por 10 a 20 km.

Segundo José Iriarte, arqueólogo da Universidade de Exeter, as ruínas estão tão mal preservadas não só porque a selva tentou, mas também porque estas cidades foram construídas principalmente de barro.

Por exemplo, os maias e os incas construíram em pedra e suas pirâmides ainda estão em excelentes condições. A civilização desconhecida do Equador que construiu essas cidades existiu na verdade durante a mesma época do Império Romano, e tinham aproximadamente a mesma população que Londres durante o Império Romano.

E só recentemente aprendemos sobre isso. Então, quantos mistérios antigos teremos que descobrir no futuro? “A Amazônia sempre teve uma diversidade incrível de povos e assentamentos. Começamos a aprender mais sobre eles”, diz Stephen Rosten.

COLABORE: Fazendo um PIX de qualquer valor você ajuda a manter o site Universo Alien fazendo pesquisas investigativas, análises, preparando e trazendo mais artigos interessantes. Use o QR-Code do PIX abaixo ou a chave PIX: [email protected]
Faça um gesto de doação, seja diferenciado!
PIX

colabore