SpaceX pode contaminar todo o Sistema Solar com suas missões

“A missão de Elon Musk pode ser mais catastrófica do que um passo ousado”, disse a diretora do Observatório de Bayfordbury, Samantha Rolfe

Os planos de expansão das agências governamentais e empresas privadas continuam a todo vapor. Dentre elas, a SpaceX é uma das mais conhecidas e está entre as maiores representantes privadas desse tipo de missão.

Elon Musk corre para colocar em prática sua nave Starship, com capacidade para 100 tripulantes, em viagens por todo o Sistema Solar, e Marte deve ser um dos primeiros alvos.

Agora a comunidade astrobiológica começa a se preocupar com o que poderemos “exportar” para os mundos visitados. O problema é que, segundo muitos cientistas, isso representa um grande risco astrobiológico.

Ilustração da nave Starship colocando as primeiras mulheres na Lua com a missão Artemis

Ilustração da nave Starship colocando as primeiras mulheres na Lua com a missão Artemis.Créditos: SpaceX


“A missão de Elon Musk pode ser mais catastrófica do que um passo ousado na exploração espacial. O anúncio de que estamos perto de ter naves tripuladas cruzando o Sistema Solar é emocionante, mas não posso deixar de ter reservas morais sobre isso; minha preocupação é principalmente astrobiológica”, disse a astrobióloga e diretora do Observatório de Bayfordbury, Samantha Rolfe.

Segundo ela, nossas naves, pousadores, rovers, sondas e afins podem contaminar ambientes extraterrestres com vários microbios e germes terrestres, e isso poderia ser um enorme risco para a biologia de outros mundos, além de poder fornecer falsos-positivos para a vida extraterrestre.

“Marte é um dos principais candidatos a hospedar algum tipo de vida microbiana. No entanto, existe o risco de humanos cheios de micróbios contaminarem o Planeta Vermelho. E isso pode ameaçar a vida alienígena ou mesmo tornar impossível descobrir se algum micróbio tem origem marciana ou terrestre”, explicou a astrobióloga.

A Dra. Rolfe deu como exemplo o caso da sonda espacial israelense Beresheet, que caiu na Lua e pode ter espalhado milhares de tardígrados e amostras de DNA pela superfície de nosso satélite. Também durante as missões Apollo, os astronautas da NASA deixaram não apenas pegadas, mas todo tipo de material biológico e até fezes humanas.

Eye of Science - Nicole Ottawa - Oliver Meckes

Tardigrado.Créditos: Eye of Science / Nicole Ottawa / Oliver Meckes 
“A SpaceX deveria adiar o envio de pessoas a Marte até termos os resultados das próximas missões de detecção de vida, os rovers Mars e ExoMars”, diz a astrobióloga.

“Elon Musk (o dono da SpaceX) não parece muito preocupado com a contaminação. Se levasse esse assunto a sério, esperaria ver em seu site algo como ‘Proteção planetária da SpaceX’ (como existe a divisão de Proteção Planetária da NASA). Mas esse não é o caso”, completou a especialista.

Ela também acredita o problema não atinge somente a possível vida existente em Marte. “Os astronautas também estariam expostos à radiação do espaço profundo durante a viagem de seis meses para o planeta, que não tem atmosfera para protegê-los. A tecnologia contra radiação está ainda engatinhando. Acrescente a isso o impacto ambiental dessas missões, liberando muito dióxido de carbono. Os riscos de contaminar Marte, ferir astronautas e danificar o meio ambiente são muito reais”.

Ilustração artística de uma colônia em Encélado - Wilson Paes - Galeria do Meteorito

Ilustração artística de uma colônia em Encélado.Créditos: Wilson Paes / Galeria do Meteorito
Segundo os cientistas, existem dois tipos de contaminação planetária: a reversa (do espaço para a Terra) e a direta (da Terra para outros mundos).

Um grupo de trabalho chamado Comitê de Pesquisa Espacial (COSPAR) se reúne regularmente para desenvolver diretrizes sobre a contaminação interplanetária, usando como base o Tratado do Espaço Exterior, que foi homologado em outubro de 1967, mas só proíbe armas no espaço.

Segundo a diretora para Proteção Planetária da NASA, Catharine Conley, o objetivo deve ser sempre melhorar os protocolos para missões espaciais: “É essencial que eles sejam a base norteadora de toda missão desde o seu início, e os engenheiros precisam segui-los quando projetam sistemas tripulados para viajar além da órbita da Terra.”

Imagens: (capa-Ilustração) / SpaceX / Eye of Science / Nicole Ottawa / Oliver Meckes / Wilson Paes / Galeria do Meteorito

Você pode gostar...

Deixe um comentário