O Submarino Enigmático Com o Qual os “Nazistas Viajaram No Tempo”

A ficção do Twitter vai muito além do que poderíamos imaginar. Esse relato de como os nazistas viajaram no tempo pode fazer até os cabelos de Indiana Jones se arrepiarem.

Este peixe feio e fascinante é um tamboril. É conhecido como AF-67 e é o autor de uma das descobertas mais devastadoras dos últimos séculos.


O tamboril AF-67 fazia parte do “Projeto Haliade” da Universidade de Pleanville. Eles selecionaram 77 peixes do fundo do mar e os equiparam com microcâmeras e dispositivos de rastreamento para explorar o fundo do mar através deles. Com as microcâmeras e balizas de rastreamento instaladas, o AF-67 foi lançado no Oceano Índico na esperança de que decidisse mergulhar no poço abissal Lamu-Rhino.
É uma cava com profundidade de cerca de 10.500 metros. O AF-67 mergulhou até o fundo.


O tamboril foi um dos peixes escolhidos para este projeto porque possui uma fonte de luz própria.
Isso é importante para obter imagens a uma profundidade de 10.500 metros onde a única luz solar que brilha é devido à sua ausência. Onde as coisas não emitem calor. Uma vez recuperado este tamboril obteve dezenas de imagens interessantes mas não particularmente relevantes. Principalmente vídeos de outras criaturas abissais que já estavam no catálogo dos biólogos marinhos.


Mas em meio a tantas informações irrelevantes, o AF-67 fez uma descoberta inesperada. No início eles o confundiram com o cadáver de um cachalote.


Depois de analisar alguns dos quadros cuidadosamente, eles perceberam que era um artefato feito pelo homem. Provavelmente um submarino afundado.
Hipóteses confirmadas ao ver uma suástica no capacete de pressão … E um número de série. Esta “placa” permitia a identificação do dispositivo: EL U-515.

Um submarino nazista que causou muitas dores de cabeça aos serviços de inteligência dos Estados Unidos e deu muito o que falar no mundo das conspirações. Por quê?


Porque aquele submarino desapareceu quando carregava dentro do “The Bell Of Wöhlenbach” uma engenhoca desenvolvida por cientistas nazistas no final da Segunda Guerra Mundial projetada para viajar no tempo.

Os mais céticos presumiam que os nazistas nunca conseguiram fazer O Sino funcionar. Os mais ousados ​​fantasiaram sobre a possibilidade de que o desaparecimento do U-515 provasse exatamente o contrário:


O submarino desapareceu sem deixar vestígios porque viajou no tempo.


As mentes mais quentes chegam a sugerir que o próprio Hitler estava a bordo do U-515 e escapou para outra era ativando o “sino” do submarino.


Como você pode imaginar, a descoberta desse submarino pelo tamboril AF-67 significou uma jarra de água fria para quem aposta na teoria da viagem no tempo. Porém…


Quando recuperaram o tamboril AF-67, recompensaram seus serviços dissecando-o para uma autópsia e descobriram em seu estômago e em suas células sintomas de que havia sido exposto a isótopos radioativos.


O tipo de radiação que segundo físicos da Universidade de Pleanville, poderia liberar (sempre “em teoria”) um dispositivo projetado para alterar parâmetros de espaço-tempo.


De posse desses dados, uma hipótese bastante sugestiva foi considerada: e se a tripulação do submarino, uma vez encalhada no fundo da cova abissal em uma tentativa desesperada de escapar decidisse ativar “O Sino”?
E se “O Sino” realmente viajasse no tempo?

Para corroborar ou refutar essa loucura os pesquisadores de Pleanville estudaram exaustivamente os escritos de um dos cientistas mais enigmáticos e prodigiosos de nosso século, Ilja Mladenek: engenheiro sérvio discípulo de Nikola Tesla.


Ele trabalhou projetando tecnologia avançada para os nazistas até que o governo dos EUA o resgatou no contexto da Operação Paperclip para se beneficiar de seu conhecimento. Mladenek foi um dos arquitetos do Wöhlenbach Bell. De acordo com seus cadernos de pesquisa, o artefato era capaz de se mover pela quarta dimensão permitindo que qualquer objeto em um raio de 8 metros de seu epicentro viajasse no tempo.


Mas de acordo com as notas de Mladenek essa tecnologia tinha limites. “O Sino só era capaz de viajar ao passado.”
O ano exato em que Hitler pretendia voltar com O Sino também apareceu nas notas do engenheiro sérvio: 12.103 aC.


Isso inicialmente levou os pesquisadores de Pleanville a rejeitar a ideia de que o U-515 havia viajado no tempo.


Por quê? Pois nesse caso o submarino ao afundar na cova abissal além de transportar “O Sino” teria pousado em cima dele.


O Sino teria permanecido por milênios esperando por si mesmo no fundo do mar. E as imagens do tamboril não mostravam nenhum outro objeto além do U-515.
Foi Margaret Canker, professora de astrofísica na Pleanville University que percebeu que eles estavam cometendo um pequeno erro.

Eles não estavam contando com a rotação da Terra. “O Sino” viaja no tempo mas não no espaço.


À medida que se move ao longo dos anos e séculos, o planeta gira na latitude correspondente à trincheira Lanu-Rhino a mais de 1.000 quilômetros por hora. Essa velocidade de rotação aumentou nos últimos séculos devido à superlotação. Aumentamos a massa do planeta significativamente e

isso significa que não giramos mais tão lentamente como alguns milênios atrás.
Como se não bastasse a angulação do eixo de rotação da Terra também mudou. 

Em outras palavras:


Um objeto que remonta a 12.103 aC não apareceria no mesmo ponto geográfico onde iniciou sua jornada.


Canker fez os cálculos tendo em conta as alterações do eixo e da velocidade de rotação ao longo dos últimos 14.021 anos e chegou à conclusão que se “O Sino” tivesse regressado à data para a qual foi programado teria chegado. aqui:
Uma área do Himalaia no Himalaia, com quase 5.000 metros de altura, dentro do que hoje conhecemos como Tibete.


A Universidade de Pleanville enviou uma expedição expressa a essa área do Tibete. Você encontrou o Sino lá? Claro que não.


Mas eles encontraram restos metálicos que poderiam pertencer a ele e ainda mais importante: isótopos radioativos idênticos aos do tamboril AF-67.
O Sino havia chegado ao seu destino? Alguém o teria encontrado nessas terras há mais de 14.000 anos?


Isso explicaria as referências nas sagradas escrituras sânscritas a alguns dispositivos dos quais já falamos aqui em outras ocasiões: O Vimana.

As menções ao vimana na mitologia hindu confundem os cientistas até hoje.
Em outros textos religiosos são mencionados “carros de fogo”, criaturas voadoras, etc. Mas o caso das vimanas é diferente. Os antigos os descreviam como máquinas.
Uma missão nazista comandada pelo Dr. Ernest Schäfer viajou ao Tibete em busca das origens da raça ariana e acabou (talvez) encontrando os restos mortais de um vimana, ou a tecnologia que os tornou possíveis.


Há rumores de que graças a essas descobertas os cientistas do Terceiro Reich foram capazes de construir o Sino e outros protótipos de guerra que pareciam discos voadores.


Eles usaram a tecnologia do “Sino” no passado remoto para desenvolver aquelas “naves voadoras” que acabaram transcendendo sob o nome de “vimana”?
Nesse caso aqueles que se autodenominavam “arianos” recorreram à sabedoria do passado para viajar até aquele passado, semear o mito da “raça ariana” e deixar aí as instruções que os ajudariam no futuro a construir a ferramenta necessária para ser capaz de fechar esse círculo.


Essa possibilidade levanta duas questões:


Hitler afundou aquele submarino de propósito naquele ponto do Oceano Índico? O que os Estados Unidos têm feito com toda essa tecnologia desde que a apreenderam no final da Segunda Guerra Mundial? Fim.
Esperamos que tenham gostado desta história de ficção pois nada mais é do que uma história criada por Juanjo Ramírez  que é um dos grandes mestres da ficção do tweet.


Precisamente uma de suas especialidades é agarrar-se a elementos reais para construir um universo espetacular de ficção científica sobre eles. E não há nada que tenha inspirado tantos contos de ficção científica quanto a chamada tecnologia nazista.
O que poderia ser mais interessante do que tal conspiração? 

Fonte 

Você pode gostar...

Deixe um comentário