O misterioso sistro egípcio que poderia abrir portais e mudar o clima?

Para alguns, o sistro atua como entrada e saída de um lugar para outro usado pelos deuses (portais), uma vez que aparece próximo às ‘portas falsas’ dos antigos templos egípcios. Isso levou à crença de que esse artefato mantido pelos deuses egípcios tinha o poder de abrir portais.

Um dos instrumentos musicais mais sagrados do antigo Egito era o sistro, usado não apenas para produzir melodias peculiares, mas também para fins religiosos. Acreditava-se que ele tinha propriedades mágicas e poderia apaziguar divindades perigosas e melhorar o clima. Vamos dar uma olhada na história e no significado deste instrumento único.

O sistro e seu uso no antigo Egito

Originalmente, o sistro era um instrumento usado pelos deuses, pode ser visto nas mãos das deusas Ísis e Bastet, mas está principalmente ligado a Hathor considerada entre muitos outros aspectos como a divindade do firmamento, conhecida como a “senhora das estrelas ”e“ Soberana ”das estrelas“ ligada à estrela síria, e representante da origem dos deuses egípcios.

Além disso, considerado um instrumento mágico, o sistro era utilizado oficial e permanentemente no culto à deusa Hathor, pois evocava alegria, festividade, fertilidade, e era a deusa do erotismo e da dança. Representações da deusa Hathor foram encontradas segurando um sistro sagrado.

O misterioso sistro egípcio que poderia abrir portais e mudar o clima? 5
Nefertari, esposa de Ramsés II, segurando um sistro. © ️ Wikimedia Commons

Da mesma forma, os egípcios usaram o sistro para aplacar o rio Nilo e tentar impedi-lo de transbordar de suas margens e causar inundações que devastaram terras agrícolas. Além disso, acreditava-se que o som emitido por este instrumento assustava Seth, o deus do deserto, das tempestades, da violência e da desordem.

Além disso, a deusa Ísis em seu papel de criadora e mãe era representada segurando um balde que simbolizava as enchentes do Nilo em uma mão e na outra um sistro. Este objeto musical era de grande importância nos rituais de adoração realizados pelos devotos egípcios.

O sistro como instrumento musical

O sistro é um instrumento musical muito antigo, em forma de arco ou ferradura, e consiste em placas de metal inseridas em hastes. Quando agitado vigorosamente, ele emite um som semelhante ao de uma brisa soprando através de juncos de papiro. É assim que os egípcios e outras culturas do Oriente Médio o descreveram.

A palavra sistro vem da palavra grega sinio, que significa sacudir. O instrumento era denominado pelo termo sixtron, palavra que se refere a um objeto que está sendo sacudido. Como instrumento de percussão da família idiófona, está na mesma categoria de outros instrumentos mais conhecidos, como sinos, castanholas e maracas.

O sistro e seu significado simbólico

Em seu ensaio “Sobre Ísis e Osíris”, o historiador grego Plutarco destaca o importante papel que o sistro desempenhou no culto egípcio. Não era apenas usado como um instrumento musical, mas também tinha uma conotação simbólica profunda e poderosa.

Plutarco indica que o sacudir do sistro para produzir som simboliza o fato de que todas as coisas existentes precisam ser sacudidas para que despertem e funcionem. O movimento é algo que nunca pode e não deve ser interrompido para que as coisas saiam do estado de sonolência e cresçam.

Além disso, com o uso do sistro, foi feita uma tentativa de controlar e apaziguar as forças destrutivas da natureza. Era também um meio de influenciar os deuses, seja para agradar, adorar ou mesmo assustar e repelir. Não ousaria dizer que o sistro era uma espécie de objeto de culto ou mesmo um amuleto.

O som do instrumento também foi considerado protetor e simbólico. Estava relacionado à bênção divina e ao conceito de renascimento, não apenas pelo significado simbólico de seu som, mas também pela forma e decoração do artefato, vinculado às divindades.

O sistro egípcio

O misterioso sistro egípcio que poderia abrir portais e mudar o clima? 6
Hathor está em seu papel de filha rebelde de Re, para ser apaziguada por música e dança. Com base nesse comprovado efeito do instrumento, o sistro foi, a partir do Novo Império, o instrumento que pacificou e satisfez qualquer divindade, seja ela feminina, como Hathor, seja masculina. No Templo de Amun-Re em Karnak, um sistro em forma de noas era um objeto de culto primordial, talvez por suas conexões com Hathor. © ️ touregypt

Até agora, duas formas deste instrumento cerimonial podem ser distinguidas, a mais antiga das quais é provavelmente o ‘sistrum naos’ que tinha a cabeça de Hathor e que foi colocado em um pequeno santuário ou caixa em forma de naos (câmara interna de um templo que abriga uma figura de culto). A cabeça de Hathor é frequentemente retratada no cabo, incorporando um par de chifres de vaca no design (Hathor é comumente descrita como uma deusa vaca).

Durante o período greco-romano, um segundo tipo de sistro tornou-se popular. Conhecido como sekhem ou sekham, este sistro tinha uma estrutura simples em forma de arco, geralmente construída em metal. O sekhem parecia uma ferradura fechada com um cabo longo, mostrando barras de metal cruzadas soltas no topo da cabeça de Hathor.

O sistro é composto por um magnum e uma estrutura semicircular de latão, cobre, madeira ou argila. Pequenos aros são embutidos em travessas móveis e, quando o instrumento balança, ele produz um som que combina um tinido alto com uma batida suave.

O sistro usado no antigo Egito tinha um formato básico semelhante ao ankh egípcio ou cruz, e também evocava o rosto e os chifres de uma vaca. Em muitas representações antigas, mulheres e altas sacerdotisas são vistas segurando um sistro.

Um instrumento com conotações místicas e religiosas

Ele aparece em uma infinidade de gravuras e murais em todo o Egito. Dentro do templo de Hathor, este artefato pode ser encontrado ao lado da Lâmpada ou Bulbo Dendera, representado em quatro sistros que parecem mostrar que ele estava relacionado a energia, vibração e algum tipo de tecnologia ancestral.

Algumas interpretações não convencionais chegam a relacionar o sistro com a entrada e saída de um local para outro utilizado pelos deuses, visto que é visto nas portas falsas de antigos templos egípcios, isso pode ser visto em Karnak, onde existe uma estrutura de sete portas com um sistro retratado ao lado. O que levanta uma preocupação: esse artefato mantido pelos antigos deuses egípcios tinha o poder de abrir portais?

Atualmente, murais e registros podem ser encontrados mostrando os sacerdotes de Ísis ou seus assistentes segurando um sistro. Alguns pesquisadores indicam que seu som pode ser usado para entrar em estados de transe durante os quais sacerdotisas e sacerdotes podem “comungar” ou se comunicar com seres em outras dimensões da consciência.

O misterioso sistro egípcio que poderia abrir portais e mudar o clima? 7
Naos Sistrum com o nome de abril de 589–570 aC © ️ Wikimedia Commons

O sistro continuou a ser usado no Egito após o desaparecimento dos faraós. Na cultura grega, sistros também eram usados, mas nem todos deveriam ser tocados. Em vez disso, eles desempenharam um papel puramente simbólico em sacrifícios, festivais e contextos funerários.

Hoje, o sistro ainda é usado em rituais nas igrejas copta e etíope. É tocada durante a dança dos debtera (cantores) em importantes festas da igreja. Também é ocasionalmente encontrado na adoração e rituais neopagãos.

Sem dúvida, o sistro é um objeto incrível e místico, o que mais uma vez confirma que os egípcios foram uma civilização cheia de segredos e histórias sensacionais.

Você pode gostar...

Deixe um comentário