Novos documentos revelam mais enxames de OVNIs sobre navios da Marinha dos Estados Unidos

Novos documentos revelam mais enxames de OVNIs sobre navios da Marinha dos Estados Unidos

29/12/2021 0 Por Jonas Estefanski

A maior parte dos dados vem do The War Zone/The Drive, o site de notícias militares que rastreou, solicitou e revelou documentos internos sobre “drones” misteriosos que seguiram vários navios da Marinha em manobras. Foi revelado pela primeira vez em março de 2021 que o USS Kidd, um contratorpedeiro classe Arleigh Burke, encontrou um UFO perto da Ilha de San Clemente em 14 de julho de 2019 e implantou uma equipe “SNOOPIE” (Ship Nautical Or Other Photographic Interpretation and Exploitation) para investigar.

O War Zone descobriu que outros navios também encontraram os UFOs em 15 e 16 de julho – o USS Russell, o USS John Finn, o USS Paul Hamilton e o USS Rafael Peralta, que ativou sua própria equipe SNOOPIE e relatou uma “(…) luz branca pairando sobre convés de voo do navio por cerca de 90 minutos.” Registros de outros navios também relataram avistamentos. O War Zone solicitou mais informações sobre o encontro de dois dias… e esperou. Esta semana, finalmente recebeu documentos adicionais que continham novas revelações chocantes.

Documentos recém-divulgados obtidos por meio da Lei de Liberdade de Informação (FOIA) mostram que o escopo total dessas incursões de drones era maior do que parecia inicialmente e persistiram muito depois do início da investigação da Marinha. Os registros do convés indicam que os avistamentos de drones continuaram durante todo o mês de julho de 2019 e incluíram eventos onde equipes de contramedidas de drones foram acionadas. Um evento notável envolveu pelo menos três navios observando vários drones. De forma incomum para registros de convés não classificados, os detalhes sobre este evento são quase inteiramente censurados.”

Os registros mostram que o USS Russell se encontrou com os UFOs nos dias 17 e 20 de julho de 2019. A tripulação do USS Russell tomou contramedidas anti-drones que pareceram malsucedidas – o War Zones explica que os bloqueadores de radiofrequência altamente direcionais são projetados para interromper as comunicações entre os drones e seus operadores, mas não são eficazes contra drones autônomos. O documento também mostra que o USS Russell disparou um canhão naval de cinco polegadas como contramedida a UAS (sistema aéreo não tripulado), mas observa que essas armas não foram projetadas para atingir alvos pequenos e lentos como esses “drones” misteriosos.

O mapa acima mostra as interações do USS Paul Hamilton com um misterioso UFO.
Fonte: U.S. NAVY

Finalmente, eles relataram que “caça-fantasmas” – dispositivos simples de combate a UAS que se parecem com rifles – foram disparados. O War Zone aponta que “caça-fantasmas” é um novo termo. Os registros mostram que pelo menos três navios relataram vários UFOs seguindo-os e ajustando sua velocidade e posição sempre que um navio fazia uma manobra evasiva. Os navios também reforçaram os protocolos de “controle de emissões”, ou EMCON, projetados para minimizar seu perfil eletrônico.

Outro evento entre o USS Russell e os misteriosos objetos ocorreu em 30 de julho de 2019. Uma equipe SNOOPIE foi ativada, “caça-fantasmas” foram usados e um SCAT (Small Craft Action Team) foi lançado – estes são operadores de metralhadoras que fornecem cobertura de 360 graus do navio e são geralmente usados em resposta a um ataque de pequenos barcos ou voos baixos e lentos. Os registros mostram que o vizinho USS Bunker Hill fez as mesmas manobras. Talvez a revelação mais interessante seja que, ao contrário dos anteriores, os novos documentos foram fortemente editados.

Esses novos documentos nos dizem que esses “drones” misteriosos são um problema muito maior para a Marinha dos Estados Unidos (e o resto de suas Forças Armadas) do que se pensava. Eles nos dizem que contrarrespostas – incluindo armas – foram implantadas com pouco sucesso. Eles nos dizem que o Pentágono provavelmente está escondendo mais informações sobre eles. O que eles não nos dizem é o que esses “drones” são e a quem – ou a que – pertencem.