Novas evidências sugerem que a forma do universo é uma esfera fechada e não plana

Novas evidências sugerem que a forma do universo é uma esfera fechada e não plana

27/12/2021 0 Por Jonas Estefanski

Tudo o que pensamos que sabemos sobre a forma do universo pode estar errado.

Nos primeiros bilionésimos de segundo após o Big Bang, houve um momento de expansão exponencial durante o qual o Universo passou de um simples ponto a um espaço físico específico. E a física dessa expansão super rápida aponta para um universo plano. Por esse motivo, a maioria dos físicos opta por essa opção hoje.

Agora, um estudo recente intitulado A evidência de Planck de um universo fechado e uma possível crise para a cosmologia e publicado na revista Nature Astronomy questiona a ideia aceita de um universo plano e, em vez disso, sugere que ele poderia ter uma forma curva. e fecha-se como uma esfera, em vez de ter uma forma plana como uma folha esticada.

Se dois fótons viajarem em paralelo em um universo fechado, eles acabarão por se encontrar. 
Em vez disso, em um universo aberto e plano, os fótons, sem serem perturbados, viajariam junto com seus cursos paralelos sem nunca interagir.
Para chegar a esta conclusão, os cientistas se basearam em dados de radiação de fundo de micro-ondas (CMB) – comumente conhecidos como eco do Big Bang – coletados pelo telescópio espacial europeu Plank da Agência Espacial (ESA).
De acordo com as informações estudadas, os cientistas encontraram uma anomalia no CMB que sustenta a ideia de um “universo fechado”.

Mas … qual é a anomalia?
O CMB é o elemento mais antigo que podemos ver em todo o Universo. 
Consiste em uma tênue radiação “ambiental” de microondas que inunda todo o espaço e constitui uma das mais importantes fontes de dados sobre a história e o comportamento do Universo como um todo.

De acordo com os dados da última medição do CMB, os mais precisos até o momento, há um número muito maior de “lentes gravitacionais” do que seria de se esperar, e isso significa que a gravidade poderia estar “dobrando” muito as microondas do CMB mais do que a física atual é capaz de explicar.

Os próprios pesquisadores, porém, indicam que, embora as evidências sejam sólidas, seus resultados não são inteiramente conclusivos. 
De acordo com os cálculos efectuados pela equipa, os dados apontam para um Universo fechado com desvio padrão de 3,5 sigma (medida estatística que significa que existe uma probabilidade de 99,8% de o resultado não ser devido a erro estatístico). 
E isso ainda está bem abaixo dos 5 sigmas que os físicos precisam antes de confirmar uma ideia.

O debate, então, está servido. 
O estudo encontrou uma discrepância importante, uma anomalia que precisa de uma explicação. 
E o do Universo fechado pode ser o mais válido.
Fonte: Live Science