Moléculas fundamentais para a vida são encontrados pela primeira vez na superfície de um asteroide

Crédito: ISAS-JAXA

Uma nova pesquisa da Royal Holloway encontrou água e matéria orgânica na superfície de uma amostra de um asteroide do sistema solar interior trazida para a Terra. Esta é a primeira vez que matéria orgânica, que poderiam ter fornecido precursores químicos para a origem da vida na Terra, foram encontrados em um asteróide.

A amostra singular de grãos foi trazida para a Terra do asteroide Itokawa pela primeira missão Hayabusa da JAXA em 2010. A amostra mostra que a água e a matéria orgânica originária do asteroide em si evoluíram quimicamente através do tempo.

A pesquisa sugere que Itokawa evoluiu constantemente ao longo de bilhões de anos incorporando água e materiais orgânicos de matéria extra-terrestre, assim como a própria Terra. No passado, o asteroide passou por aquecimento extremo, desidratação e quebras devido ao impacto catastrófico. No entanto, apesar disso, o asteroide se reuniu novamente a partir dos fragmentos despedaçados e se reidratou com água que foi depositada através da queda de poeira ou meteoritos ricos em carbono.

Este estudo mostra que os asteroides do tipo S, de onde a maioria dos meteoritos da Terra vêm, como Itokawa, contêm os ingredientes básicos da vida. A análise deste asteroide muda as visões tradicionais sobre a origem da vida na Terra, que anteriormente se concentraram fortemente em asteroides ricos em carbono do tipo C.

O Dr. Queenie Chan, do Departamento de Ciências da Terra da Royal Holloway, disse: “A missão Hayabusa consistiu de nave robótica desenvolvida pela Agência de Exploração Aeroespacial do Japão para devolver amostras de um pequeno asteroide próximo à Terra chamado Itokawa, para análise detalhada em laboratórios na Terra.

“Após ser estudado em grande detalhe por uma equipe internacional de pesquisadores, nossa análise de um único grão, nomeado ‘Amazônia’, preservou matéria orgânica primitiva (não aquecida) e processada (aquecida) dentro de dez mícrons (milésimos de centímetro).

“A matéria orgânica que foi aquecida indica que o asteroide foi aquecido a mais de 600°C no passado. A presença de matéria orgânica não aquecida muito perto dela, significa que a queda de [compostos] orgânicos primitivos chegou à superfície de Itokawa depois que o asteroide esfriou.”

Dr. Chan, continua: “Estudar a [amostra] Amazônia nos permitiu entender melhor como o asteroide evoluiu constantemente incorporando água exógena recém-chegada e compostos orgânicos.”

“Essas descobertas são realmente emocionantes, pois revelam detalhes complexos da história de um asteroide e como seu caminho de evolução é tão semelhante ao da Terra pré-biótica.”

“O sucesso desta missão e a análise da amostra que retornou à Terra, desde então, abriu caminho para uma análise mais detalhada do material carbonáceo devolvido por missões como hayabusa2 da JAXA e as missões OSIRIS-Rex da NASA. Ambas as missões identificaram materiais exógenos nos asteroides Ryugu e Bennu, respectivamente. Nossas descobertas sugerem que a mistura de materiais é um processo comum em nosso sistema solar.” [Phys]

Você pode gostar...

Deixe um comentário