Imagens incríveis mostram que Marte é mais colorido do que pensávamos

As dunas de areia costumam se acumular no chão das crateras. Nesta região da Cratera Lyot, o Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) da NASA mostra um campo de dunas de barchan clássicas.

Mais de uma dúzia de fotos tiradas a milhares de metros acima da superfície marciana mostram como Marte é estranhamente belo e colorido.

As fotos foram tiradas a bordo do Mars Reconnaissance Orbiter da NASA, que captura e transmite imagens da superfície do planeta vermelho para a Terra desde 2006. Agora, você pode observar e se encantar com uma pequena seleção de fotografias enviadas pelo satélite. Confira:

Esta imagem mostra uma área com crateras a sudeste do local de pouso do rover ExoMars 2020 Rosalind Franklin em Oxia Palus. (Crédito: NASA / JPL-Caltech / Universidade do Arizona)
Este é um exemplo no andar de Ius Chasma, parte de Valles Marineris. A região tem uma história complexa de deposição, deformação, erosão e alteração de sedimentos.
A Cratera Kaiser tem 207 quilômetros de largura e recebeu o nome de Frederik Kaiser, um astrônomo holandês (1808-1872). (Crédito: NASA / JPL-Caltech / Universidade do Arizona)
Cerberus Fossae é um conjunto de valas íngremes que corta planícies vulcânicas a leste de Elysium Mons. Encostas íngremes em Marte têm deslizamentos de terra ativos (também chamados de “desperdício de massa”), e aqui vemos evidências de dois tipos de atividade. Observe o quão belo e colorido o planeta Marte pode ser.
(Crédito: NASA / JPL-Caltech / Universidade do Arizona)
Você está olhando para um dos mistérios não resolvidos em Marte. Essa textura da superfície de cumes e vales interconectados, denominada “terreno cerebral”, é encontrada em todas as regiões de latitude média de Marte. Esta paisagem está localizada em Protonilus Mensae. (NASA / JPL-Caltech / Universidade do Arizona)
A história geológica de um planeta está escrita em suas camadas. A erosão da superfície revela várias tonalidades de camadas claras, provavelmente depósitos sedimentares. As características geológicas mais recentes são as estreitas dunas de areia serpenteando no topo de toda a rocha. (NASA / JPL-Caltech / Universidade do Arizona)
Nesta observação do Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) da NASA, vemos um conjunto de cordilheiras retas em rochas antigas perto de Nirgal Valles. (NASA / JPL-Caltech / Univ. do Arizona)
Uma seção transversal de uma espessa camada de gelo subterrâneo é exposta na encosta íngreme (ou escarpada) que aparece em azul brilhante nessa visualização em cores aprimoradas da câmera HiRISE (High Resolution Imaging Science Experiment) na câmera Mars Reconnaissance Orbiter da NASA. (NASA / JPL-Caltech / UA / USGS)
A tampa residual do pólo sul (a parte que dura até o verão) é composta de gelo de dióxido de carbono. Embora a tampa sobreviva a cada estação quente do verão, está constantemente mudando de forma devido à sublimação do dióxido de carbono de encostas íngremes e deposição em áreas planas. (NASA / JPL-Caltech / Univ. do Arizona)
Mais evidências de um Marte dinâmico são reveladas à beira de um campo de dunas marcianas. Os cientistas observaram voçorocas criadas pelo degelo do gelo de dióxido de carbono, bem como blocos reais de dióxido de carbono de 1 metro. (NASA / JPL-Caltech / Universidade do Arizona)
O gelo de dióxido de carbono ainda cobre grande parte da superfície neste local de alta latitude. As temperaturas chegam à -128 graus Celsius. (NASA / JPL-Caltech / Universidade do Arizona)
Fluxos sazonais escuros emanam das exposições rochosas na Cratera Palikir em Marte nesta imagem da câmera High Resolution Imaging Science Experiment (HiRISE) na Mars Reconnaissance Orbiter da NASA. (NASA / JPL-Caltech / Univ. do Arizona)
As dunas de areia costumam se acumular no chão das crateras. Nesta região da Cratera Lyot, o Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) da NASA mostra um campo de dunas de barchan clássicas.

FONTE / NASA

Você pode gostar...

Deixe um comentário