Hipatia: Uma pedra ‘extraterrestre’ encontrada no deserto do Saara diferente de tudo já encontrado

Hipatia: Uma pedra ‘extraterrestre’ encontrada no deserto do Saara diferente de tudo já encontrado

18/01/2022 0 Por Jonas Estefanski

No estudo realizado, sugere-se que alguns compostos rochosos se formaram antes do sol existir.

Em 1996, um geólogo egípcio conhecido como Aly Barakat descobriu uma pequena pedra rara. Sua aparência era um pouco estranha e estava localizada no deserto do Saara, especificamente a leste. Mas era uma pedra simples? Esta era Hypatia, um dos maiores enigmas da Terra.

As características misteriosas da “Pedra Hypatia”

Esta pedra que Barakat descobriu mede aproximadamente 3,5 centímetros no ponto mais largo. Além disso, mal ultrapassa 30 gramas de peso máximo. Hoje é popular pelo nome de “Pedra de Hypatia”, um título que homenageia um filósofo e matemático, Hypatia de Alexandria. Muitos cientistas ficaram intrigados com as características desta pedra. E é o mais misterioso de todos os espécimes encontrados até hoje. Tanto que, desde 1996, a origem desse achado vem sendo investigada.

Veio de um meteorito?

Inicialmente, foi descoberto que a misteriosa pedra tinha origem extraterrestre. Da mesma forma, concluiu-se que seu aparecimento na Terra foi devido a um meteorito. No entanto, posteriormente alguns estudos mostraram que sua estrutura não correspondia a nenhuma das categorias de meteoros.

Agora, em 28 de dezembro de 2017, algo interessante foi publicado na Geochimica et Cosmochimica Acta. No estudo realizado, sugere-se que alguns compostos rochosos se formaram antes do sol existir.

Esta conclusão é lógica?

Esses dados parecem lógicos, uma vez que seus micro-compostos e partículas não coincidem com os elementos encontrados no sistema solar. Também é provável que esses componentes existissem antes da formação dos planetas.

Além do mais, se nos referirmos especificamente à composição química desta pedra única, não há nada parecido. O seixo Hypatia é único e não há outro composto que possua suas qualidades. Da mesma forma, os cientistas que estudam cometas e meteoritos têm a mesma opinião.

É fato que esta rocha não tem semelhanças com nenhum elemento obtido no planeta Terra.

Onde esta pedra única pode ter sido formada?

De acordo com algumas crenças, sua formação se originou no início da nebulosa solar. A pesquisa indica que é uma enorme nuvem de poeira interestelar homogênea. Além disso, afirma-se que desse mesmo núcleo surgiram os planetas e o Sol. Em outra ordem de ideias, essa pedra ímpar possui os seguintes materiais básicos: alumínio, silício, ferro e carbono. Embora seja verdade que esses elementos estão presentes na terra, o seixo contém proporções muito diferentes das comuns.

Detalhes microscópicos da pedra “extraterrestre”

O destaque desta pedra não é apenas sua aparência física, isso vai muito além. Os pesquisadores tiveram tempo para cavar fundo para obter respostas às perguntas. Por exemplo, essas rochas têm algumas porções escassas de diamante dentro. Essas minúsculas peças foram observadas no nível microscópico para detalhar sua composição. Então, concluiu-se que eles foram o produto do impacto que é gerado com a crosta terrestre ou a atmosfera. Esses detalhes são pequenos, mas significativos e dão maior certeza de sua origem.

Principais questões sobre sua origem

É verdade que, quando surgiram notícias de que a pedra era diferente de tudo, os pesquisadores ficaram entusiasmados. Além disso, quando a ‘Pedra Hypatia’ foi descoberta pela primeira vez, foi um relatório sensacional para muitos entusiastas em todo o mundo. Mesmo assim, novos estudos foram conduzidos e produziram resultados diferentes.

Uma representação do conhecimento?

Quanto às teorias dos astronautas do passado, eles acreditam que seja uma representação simples do conhecimento ancestral. Mas seja como for, os cientistas continuarão a investigar mais sobre o mistério desta rocha incrível.

Existe ainda uma enorme quantidade de perguntas sem respostas sobre essa rocha, quem sabe que novas descobertas poderemos obter através dela com o tempo após novos estudos.