Ex-cientista da NASA afirma que Existem naves alienígenas nos anéis de Saturno

Ex-cientista da NASA afirma que Existem naves alienígenas nos anéis de Saturno

21/06/2022 1 Por Jonas Estefanski

Antes de sua morte, Norman Bergrun, um cientista que trabalhou por 12 anos na NASA, afirmou que havia enormes naves alienígenas proliferando nos anéis de Saturno.

Bergrun, que serviu no Comitê Consultivo Nacional para Aeronáutica e que trabalhou com a Lockheed Martin em alguns projetos aeroespaciais secretos, afirmou que existem espaçonaves alienígenas no Sistema Solar, mas os cientistas não reconhecem isso.

Em seu livro de 1986 Ringmakers of Saturn, ele apresentou pela primeira vez a teoria de que naves alienígenas foram vistas nos planetas anelados do Sistema Solar. Principalmente em Saturno.

De acordo com Bergrun, quando as imagens obtidas durante os sobrevôos das sondas Voyager ao longo dos anos são analisadas, revela objetos estranhos próximos aos anéis.

Pode-se até observar os “exaustos” dos motores das naves extraterrestres, cuja proliferação estaria se acelerando e chegando a um estágio “crítico”.

O ex-engenheiro da NA S A explicou que os anéis de Saturno, Urano e Júpiter foram criados para serem usados ​​como fonte de energia ou para obter recursos por alienígenas.

Além disso, ele assegurou que essas naves poderiam ser consideradas “vivas”, pois possuem funções essenciais dos sistemas biológicos, como auto-replicação e auto-manutenção .

Isso coincide com o que foi dito por alguns teóricos, como Arwen Nicholson e Duncan Forgan, da Universidade de Edimburgo. Eles sugeriram uma década atrás que o Universo poderia ser povoado por milhares de sondas alienígenas auto-replicantes.

Além do inegável prestígio e currículo do cientista, os céticos asseguram que há uma explicação natural. Outros detratores apontam que os movimentos da sonda causam as irregularidades nas imagens.


A verdade é que Saturno e suas luas estão cheios de características estranhas; da enigmática nuvem hexagonal no pólo norte, aos “satélites pastores”.

Esses satélites são pequenas luas cuja influência gravitacional confina o material a alguns anéis planetários, limitando regiões estreitas.

O material do anel que orbita próximo ao satélite pastor é normalmente enviado de volta ao anel, enquanto outro material é ejetado para fora ou acaba caindo em outro satélite pastor.

Ainda assim, às vezes temos o que poderíamos chamar de pastores espaciais não identificados. Um exemplo claro pode ser visto em uma imagem obtida pela sonda Cassini.

“Uma quebra brilhante no estreito anel F de Saturno sugere que ele pode ter sido perturbado recentemente. Este recurso provavelmente não foi causado pela lua Pandora (50 milhas ou 81 quilômetros de diâmetro) aparecendo nas proximidades no canto inferior direito. Provavelmente foi criado pela interação de um pequeno objeto embutido no anel e material no núcleo do anel. Os cientistas às vezes se referem a esses recursos como “jatos”.

Como esses corpos são pequenos e embutidos no próprio anel F, eles são difíceis de detectar na resolução disponível para a espaçonave Cassini da NASA. Em vez disso, seu efeito revela sua presença, e os cientistas usam a espaçonave Cassini para estudar esses furtivos escultores de anéis F”.

Em suma, nem a própria agência espacial sabe o que está causando essas quebras nos anéis. Na verdade, ele os chama de “escultores furtivos”, um termo semelhante ao que Bergrum usa no título de seu livro. Existem realmente naves alienígenas biológicas nos anéis de Saturno?

Tag: