Espécies alienígenas “INVASORAS” são as responsáveis pelas recentes extinções globais

A Terra está no meio de uma sexta extinção em massa, mas nem toda a culpa pode ser diretamente atribuída à mudança climática.

Plantas e animais que foram introduzidos artificialmente por humanos em novas regiões estão a causar estragos na fauna nativa.

De fato um novo estudo publicado na revista Frontiers in Ecology e the Environment, mostra evidências de que estas espécies alienígenas invasoras são mais responsáveis pelas extinções globais do que qualquer outro fator.

Uma espécie pode fazer com que outra fique extinta quando um desequilíbrio nas suas populações leva a acumular recursos locais, deixando a outra sem comida ou sem habitat.

Uma equipe internacional de investigadores escreveu que 25% das extinções de plantas e 33% das extinções dos animais envolvem espécies não-nativas. Em comparação, os animais nativos são responsáveis por menos de 5% das extinções de plantas e 3% das extinções de animais.

Anteriormente, os cientistas argumentavam que não importava se uma espécie é nativa ou não-nativa: o que um organismo faz é mais importante do que de onde vem. Mas, de acordo com os autores do novo estudo, este argumento pode estar totalmente errado.

“Os impactos das espécies nativas na condução das extinções são muito menos difundidos em comparação com os das espécies exóticas”, escrevem os autores. A equipe liderada por Tim Blackburn, professor de biologia de invasão da University College London, baseou estas conclusão em dados da versão 2017 da Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas.

Em muitos casos, espécies não-nativas são introduzidas por seres humanos, seja por acidente ou de forma propositada – muitas vezes para controlar uma população nativa.
O sucesso das espécies invasoras colocam-nas em concorrência com espécies nativas.

Por vezes, a mudança climática e a degradação do habitat podem direcionar uma espécie existente para uma região vizinha. Estes casos não têm o mesmo impacto que as espécies introduzidas por seres humanos em regiões distantes do seu ambiente nativo. Os primeiros são muito menos destrutivos do que os segundos.

“Espécies nativas em surtos – mesmo aquelas que expandem o seu alcance em território adjacente – são menos propensas do que as espécies exóticas a encontrar nativos residentes que carecem de experiência evolutiva com eles”, escreveram os autores.

Em contraste, o transporte a longa distância introduz espécies que evoluíram com necessidades biológicas totalmente diferentes e portanto têm maior probabilidade de sobrecarregar os locais.

Mesmo nos raros casos em que espécies nativas causam extinções, a interferência humana ainda é a causa-raiz. Por exemplo, os humanos caçavam as lontras do mar, que normalmente mantêm as populações de ouriços-do-mar roxos sob controle. Sem as lontras, a população de ouriços-do-mar explodiu e comeu enormes quantidades de alga marinha, não deixando nada para as vacas-marinhas de Steller, que acabaram extintas.

No entanto, a forma mais prejudicial de interferência humana observada no novo artigo é a introdução de novas espécies. Quando o dano se torna percetível, geralmente, é tarde demais para ser revertido.
Fonte

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: