Como astrônomos alienígenas poderiam detectar a vida na Terra?

Como astrônomos alienígenas poderiam detectar a vida na Terra?

14/08/2021 0 Por Jonas Estefanski

Se é que eles existem, será que conseguiriam perceber que a vida prospera na Terra? O que a ciência diz a respeito?


Cada dia que se passa, mais planetas são descobertos em nossa Galáxia, e vários desses planetas podem ter o potencial de abrigar vida. Considerando isso, não é difícil imaginar que existam astrônomos alienígenas que estão num dilema muito conhecido por nós: existe vida fora do nosso planeta? E se existirem astrônomos alienígenas em algum mundo na galáxia de Andrômeda, por exemplo, será que eles conseguiriam encontrar a Terra? E será que eles conseguiriam detectar a vida abundante que existe em nosso planeta?

Se a Terra fosse detectada por seus telescópios, os hipotéticos astrônomos alienígenas de Andrômeda poderiam medir a luz cintilante da superfície da Terra, conforme a luz do Sol reflete a vegetação do nosso planeta. Da mesma maneira, os astrônomos daqui podem detectar nuances de cores em planetas extra-solares, afinal, suas estrelas iluminam sua superfície, e essa luz chega até os nossos telescópios.

espectroscopia

Créditos: Galeria do Meteorito
Mas como eles saberiam que uma certa tonalidade de cor significa a existência de vida? Isso seria possível?

Sim, isso seria possível, e nem precisa considerar tecnologias muito mais avançadas do que a nossa, afinal os nossos astrônomos já podem observar a pigmentação dos exoplanetas e assim, determinar sua composição. E além disso, uma “novidade” possibilita determinar não só sua composição, como também encontrar possíveis formas de vida em outros planetas. Dessa forma, se considerarmos apenas a nossa tecnologia, há uma grande chance de hipotéticos astrônomos alienígenas já terem detectado a vida na Terra.

Um banco de dados que informa quais tipos de vida existem em outros planetas: ele já existe!

“Formas de vida podem estar dominando outros mundos, e através da espectroscopia (detecção de cores e composições) podemos tentar encontrar vida. E agora temos um banco de dados para facilitar essa detecção”, comenta Lisa Kaltenegger, professora de Astronomia e diretora do novo Instituto Pale Blue Dots (Pálidos Pontos Azuis) da Universidade de Cornell, que estuda planetas extra-solares e modelos de planetas rochosos habitáveis fora do Sistema Solar. O instituto possui uma nova base de dados que outros pesquisadores podem usar livremente.

Um grupo de cientistas criou um catálogo de cores que contém assinaturas de reflexão de formas de vida da Terra, e que podem ser detectadas na superfície de outros planetas Universo à fora. O novo banco de dados e pesquisas, publicado no dia 16 de março nos Procedimentos da Academia Nacional de Ciências dos EUA, dá à nós, seres-humanos, uma chance muito maior de encontrar possíveis formas de vida em outros planetas.

“Esse banco de dados nos dá o primeiro vislumbre de como os planetas lá fora podem parecer, caso tenham formas de vida. Foram inclusas assinaturas de várias formas de vida na Terra, incluindo aquelas das regiões mais extremas do planeta”, comenta Lisa.

Os cientistas explicam que grande parte da vida na Terra foi dominada pela vida microbiana, ou seja, há uma grande chance de primeiro encontrarmos (se encontramos) vidas unicelulares ou multicelulares antes de criaturas mais complexas. O novo banco de dados poderá ser utilizado nas novas gerações de telescópios que buscarão uma grande variedade de vidas nos exoplanetas.

Ao criar esse banco de dados, os cientistas puderam perceber a incrível diversidade de vida que pode ser detectada remotamente em exoplanetas. “Nós temos assinaturas de reflezão de uma grande variedade de formas de vida que são encontradas em locais isolados e inóspitos da Terra, incluindo extremófilos”, comentou Siddharth Hegde, astrônomo do Instituo de Astronomia Max Planck.

Será que a vida na Terra já foi detectada por possíveis civilizações alienígenas?

Martin John Rees

Dr. e Lord Martin John Rees, cosmologista, astrofísico, presidente
da Royal Society entre 2005 e 2010, mestre do Trinity College
e da Universidade de Cambridge, e consultor pessoal da rainha
da Inglaterra, Elizabeth II, em assuntos relacionados a Astronomia.


Créditos: Independent.co.uk


E para responder a pergunta acima, nada melhor do que a opinião de um dos mais renomados astrônomos do mundo: Martin John Rees, cosmologista, astrofísico, presidente da Royal Society entre 2005 e 2010, mestre do Trinity College e da Universidade de Cambridge, e consultor pessoal da rainha da Inglaterra, Elizabeth II, em assuntos relacionados a Astronomia. Segundo ele, a vida alienígena pode existir em um nível extremamente incompreensível para nós, seres-humanos. “Nós podemos ser para os alienígenas, o mesmo que os chimpanzes são para nós, e eles podem conhecer a nossa forma de vida há muito tempo”.

Claro que todas essas opiniões polêmicas do Dr. e Lord Martin John Rees não representa necessariamente a opinião do site Galeria do Meteorito ou de seus redatores. Estamos apenas considerando uma possibilidade hipotética, que baseia-se apenas em cálculos matemáticos e hipóteses de acordo com o que conhecemos hoje.

E você, qual é a sua opinião sobre esse assunto tão polêmico? Você acredita que a vida no Universo seja tão abundante quanto dizem alguns cientistas? Ou será que estamos sós nesse vasto e incompreensível espaço?

Fonte: Cornell University / Wikipedia / Telegraph / Martin John Rees
Imagens: (capa-ilustração / Richard Cardial /Galeria do Meteorito) / The Independent