Cientista dos EUA tem Tecnologia para Teletransportar Alienígenas de Marte para a Terra

Cientista dos EUA tem Tecnologia para Teletransportar Alienígenas de Marte para a Terra

04/08/2022 0 Por Jonas Estefanski

Recentemente no pedido de FOI para o programa secreto de OVNIs do Pentágono, o Programa Avançado de Identificação de Ameaças da Aviação (AATIP) pelo jornal britânico The Sun, informações extraordinárias foram reveladas. O documento recém- publicado diz que a viagem no tempo e a tecnologia antigravidade são possíveis e podem ser aproveitadas por humanos para visitar outros mundos. Surpreendentemente, em 2013 o cientista e empresário norte-americano Dr. Craig Venter afirmou ter a tecnologia para teletransportar a vida marciana para a Terra.

John Craig Venter é um biotecnólogo e empresário americano. Ele é conhecido por liderar o primeiro rascunho da sequência do genoma humano e montou a primeira equipe a transfectar uma célula com um cromossomo sintético.

Em 2013 o Dr. Venter disse estar confiante de que há vida em Marte e anunciou seus planos de enviar um “teletransportador biológico” ao Planeta Vermelho para encontrar DNA marciano e enviá-lo de volta à Terra.

O gênio do gene Craig Venter. Crédito de imagem: 

Ethan Pines para Forbes

Segundo ele, “não apenas sua invenção detectará e decodificará DNA escondido em amostras de solo ou água sobrenaturais – provando de uma vez por todas que não estamos sozinhos no universo – também transmitiria a informação de volta à Terra e permitiria aos cientistas reconstruir cópias vivas em uma instalação de biossegurança”. Ele quer detectar vida em Marte e trazê-la para a Terra usando uma máquina chamada “conversor digital para biológico” (DBC), ou teletransportador biológico.

A máquina do Dr. Venter apenas criaria uma cópia de um organismo de um local distante, mais como uma “máquina de fax” biológica. Armazenar o código genético em um computador e transmiti-lo como qualquer outro dado é a ideia básica.

Em 2013 a equipe do Dr. Venter e cientistas do Centro de Pesquisa Ames da NASA conduziram testes de campo dessa tecnologia no deserto de Mojave, ao sul de Baker, Califórnia: um ambiente seco semelhante a Marte. Os pesquisadores testaram a unidade que em teoria enviaria dados de Marte. Mas, segundo o Dr. Venter também existe um protótipo da unidade que receberia os dados transmitidos aqui na Terra.

Teletransporte é real

Dr. Venter o dissidente da genética que criou a primeira forma de vida sintética em 2016, enviar alienígenas de volta para recriar na Terra pode soar como ficção científica, mas é “potencialmente real”.

Imagine este cenário – um novo vírus é descoberto com características que fazem com que os cientistas se preocupem com seu impacto no mundo. Esses cientistas sequenciam o vírus e entendem sua composição genética exata. Eles compartilham essas informações com outros cientistas em todo o mundo por e-mail e esses cientistas sintetizam uma réplica do vírus em um ambiente de laboratório controlado para que possam estudar o que o torna único. De repente não temos apenas duas réplicas de um vírus, mas temos versões geneticamente idênticas do mesmo vírus. Conseguimos o teletransporte biológico.

O primeiro teletransportador biológico fica em um laboratório no nível inferior do prédio de San Diego que abriga a Synthetic Genomics Inc. (SGI), parecendo algo como um carrinho de equipamento superdimensionado. Crédito da imagem: Revisão de tecnologia do MIT

Dr. Venter chegou a publicar

Um protótipo DBC capaz de baixar instruções de DNA digitalizadas e sintetizar biomoléculas a partir do zero. Na base da incursão de Venter no “teletransporte biológico” está a ideia de que todas as formas de vida – pelo menos na Terra – são essencialmente sistemas de software de DNA. O DNA dirige e cria o “hardware” biológico mais tangível feito de proteínas, células e tecidos.

Em 2010 pesquisadores liderados pelo Dr. Venter no J. Craig Venter Institute em San Diego, Califórnia, anunciaram que haviam criado células “mínimas” sintéticas. O genoma em cada célula continha apenas 473 genes-chave considerados essenciais para a vida.

Algumas das primeiras bactérias sintéticas do Mycoplasma produzidas por Craig Venter e seus colegas. Crédito da imagem: THOMAS DEERINCK, NCMIR/SCIENCE PHOTO LIBRARY

O DBC é a tentativa de Venter de transferir e fabricar vida. Com dois metros e meio de comprimento e um metro e oitenta de altura a máquina é uma fera de Frankenstein de blocos mecânicos e fios espalhados por uma mesa de dois andares. “Estamos trabalhando na portabilidade da máquina usando novas tecnologias, como chips microfluídicos e microarrays”, explicaram os autores.

Equipado com um hub ethernet, o DBC baixa arquivos de DNA da Internet e imprime o código usando as quatro bases químicas do DNA – adenosina, guanina, timina e citosina (A, G, T, C).

“É um empacotamento da biologia complexa que cada uma de nossas células minúsculas se sai notavelmente bem em uma escala muito, muito menor”, ​​explicou o Dr. Venter.

O Dr. Venter imagina combinar o DBC com tecnologias de seus organismos sintéticos para construir uma célula receptora de “lousa em branco” capaz de produzir comida, oxigênio e combustível – o cavalo de batalha perfeito para enviar ao redor do mundo ou ao espaço.

Em teoria, a célula seria capaz de receber qualquer genoma sintético projetado para produzir moléculas de suporte à vida. Venter diz que essas células precisam ser projetadas, mas observa que isso pode ser feito.

Ter um DBC a bordo significa que uma tripulação voando pelo espaço não dependeria mais do encontro de naves de suprimentos – e nunca teremos um Mark Watney na vida real morrendo de fome e preso em Marte.

“As pessoas estão preocupadas com a cepa de Andrômeda. Podemos reconstruir os marcianos em um laboratório de trajes espaciais P-4 em vez de fazê-los pousar no oceano”, disse Venter.

É possível que trazer formas de vida alienígenas aqui para a Terra em uma forma digital e então ser trazida à vida pela montagem em algum laboratório de genômica, tenha um enorme potencial para liberação acidental no mundo onde essa forma de vida pode estar além da capacidade de espécies nativas para combater, incluindo a nossa.

Fonte