Alienígenas criaram nosso universo em um laboratório, sugere cientista

Alienígenas criaram nosso universo em um laboratório, sugere cientista

02/05/2022 0 Por Jonas Estefanski

Tempo de leitura: 2 min.

Nosso universo poderia ter sido criado em uma placa de Petri? Avi Loeb parece pensar assim. O astrônomo de Harvard postula que uma “classe” mais alta de civilização pode ter conjurado nosso universo em um laboratório muito, muito distante.

Alienígenas criaram nosso universo em um laboratório, sugere cientista
Teria uma raça super avançada de alienígenas criado o nosso Universo?

Loeb escreveu em um editorial publicado pela Scientific American no ano passado:

“Como nosso universo tem uma geometria plana com energia líquida zero, uma civilização avançada poderia ter desenvolvido uma tecnologia que criou um universo bebê do nada através de tunelamento quântico.”

Essa teoria, ele sugere, uniria duas noções aparentemente opostas: a ideia de que um poder superior pode estar conduzindo nosso destino e o conceito secular de gravidade quântica (um campo da física que busca trabalhar a gravidade na teoria da mecânica quântica – algo que, para desgraça dos físicos em todos os lugares, ainda não conseguimos fazer na Terra). Principalmente, essa teoria depende da capacidade de uma civilização avançada e distante de fundir a mecânica quântica e a gravidade e, posteriormente, identificar e recriar todos os ingredientes do universo. (Para sermos honestos, isso parece ser muito trabalho.)

Ele também apresenta uma nova maneira de classificar exatamente o que torna uma civilização avançada – uma que se afasta do sistema do astrofísico soviético Nikolai Kardashev, que organiza as civilizações com base na quantidade de energia que elas geram e consomem.

De acordo com Kardashev, as civilizações do Tipo I – saudações, terráqueos! – são avançadas o suficiente apenas para utilizar a luz das estrelas que atinge seu planeta (4×1012 watts), enquanto as civilizações do Tipo II dominaram a capacidade de aproveitar totalmente o poder de sua estrela hospedeira (4× 1026 W). Esfera de Dyson, alguém? As civilizações do tipo III, a classificação final em sua estrutura, são capazes de aproveitar toda a energia dentro de sua galáxia (um colossal 4×1037 watts).

Loeb, por outro lado, desenvolveu uma estrutura que divide civilizações avançadas em classes com base em sua capacidade de “reproduzir as condições astrofísicas que levaram à sua existência”.

Os terráqueos cairiam na classe C porque, como uma civilização tecnológica de “baixo nível”, não seríamos capazes de recriar nossas condições atuais se o Sol morresse repentinamente. (Ele sugere que podemos até cair na categoria de classe D porque estamos destruindo ativamente nosso único lar.)

Por outro lado, as civilizações de classe B, escreve Loeb, são avançadas o suficiente para recriar as condições em que vivem, independentemente de suas estrela hospedeira.

Uma civilização classe A, como nossos criadores propostos, seria capaz de, digamos, gerar grandes quantidades de energia escura e, como sugere Loeb, criar “universos bebês”, ou universos menores controlados por essa civilização superior, que poderiam gerar vida. Ele também sugere que, devido à competição, apenas uma civilização avançada por vez seria capaz de atingir esse nível de sofisticação.

É uma ideia verdadeiramente maluca, mas é interessante pensar nisso. E traz à tona um conjunto de questões intrigantes: o que torna uma civilização verdadeiramente avançada tecnologicamente? Somos uma simulação avançada? Como seria esse “laboratório”, afinal?

(Fonte)